quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Amor de irmãos

Vi no Cocó na fralda e não resisti em partilhar:



Tenho dois irmãos mais novos e aposto que faria o mesmo se tivesse a idade deste miúdo espectacular!


terça-feira, 27 de novembro de 2012

Vem ginasticar, ginasticaaaaar

Estou de volta à vida activa. Ontem comecei a ginástica pós-parto e devo dizer que me senti mesmo bem. Soube bem sair de casa, caminhar pelas ruas de Lisboa (apesar do frrrrrio) e fazer uma coisa diferente, dois meses depois do pequeno nascer. Fui muito bem recebida pelas pessoas do Centro Pré e Pós-Parto (como seria de esperar...) e eu também gostei muito de voltar, apesar de andar há duas semanas a engonhar e a evitar tirar o rabo do sofá. Com frio lá fora e um bebé fofo e quentinho cá dentro, a vontade de ir era zerinhos (à esquerda). 
O primeiro choque foi mesmo quando me voltei a ver no espelho gigante da sala onde também fiz a ginástica pré-parto. Estava habituada a ver-me mais, digamos que, inchada. Estive uns bons segundos a olhar para mim, boquiaberta, para logo a seguir pensar "Falta tirar esta barriga....". E lá começámos a bombar, sempre a aviar, sem dó nem piedade. Adorei o ritmo e os exercícios. Segundas, quartas e sextas, lá estarei. Vamos ver daqui a um mês a evolução.


terça-feira, 20 de novembro de 2012

YES SIR!


quinta-feira, 15 de novembro de 2012

O que eu vi

Muito por acaso, assisti desde o início à manifestação em frente à assembleia pela televisão. O que assisti foi a uma polícia impávida à investida de meia dúzia de energúmenos que basicamente destruíram o passeio em frente à escadaria, arremessando as pedras da calçada aos polícias que estavam ao longo da mesma. Pedras da calçada, garrafas de vidro, lixo e até um sinal vertical de trânsito, foram arremessados para os agentes, a que eles continuavam a resistir. Isto aconteceu durante uma hora e meia. Nesse período, foram muitos os manifestantes que tentaram fazer com que não se recorresse à violência, fazendo eles próprios uma barreira entre os polícias e os instigadores, sem sucesso algum. Após alguns alertas da polícia, que se não terminassem a violência e disperssassem teriam que efectuar carga, serem ignorados, a polícia teve que intervir. Foram imagens impressionantes as que se seguiram. Os polícias, levaram tudo à frente, cegos que estavam do massacre a que tinha sido sujeitos, numa atitude de perfeito descontrolo.
Sou a favor das manifestações e da greve, temos que lutar pelos nossos direitos e fazer ouvir a nossa voz e sou absolutamente contra a violência, seja ela de que forma for. Os polícias, antes de o serem, são humanos, por muito difícil que isso possa parecer. Ninguém tem desculpa nestes acontecimentos de ontem e apesar da carga policial ter sido feita às cegas, onde pessoas sem culpa, levaram o que os das pedradas deviam ter levado, não posso deixar de assinalar o profissionalismo e a calma daqueles homens que estiveram a ser atacados violentamente durante hora e meia. Meia dúzia de arruaceiros que deviam ter sido apanhados, mas foram concerteza os primeiros a fugir.

Como diz o Henri Cartoon, num mundo ideal...





terça-feira, 13 de novembro de 2012

Coisas inúteis


Pézinhos anti-derrapantes no babygrow do meu puto, que tem um mês e meio. Não vá ele desatar a correr por aí fora e escorregue. Nunca fiando...

Kill me now

Ora bem, ao ver a Casa dos Segredos, aprendi que:

"Agrofobia" é quem tem a mania da perfeição;
O losanGULO tem 5 lados;
A árvore que dá a azeitona é a azeitoneira;
Camões escreveu "Os Maias";
A Troika é composta por 3 homens pequenos (???);
A nome póprio do Cavaco Silva é Jorge.

E por aí.

O mais estúpido no meio disto tudo? Continuo a ver o programa LOL 
Agora não há volta a dar...

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Dá-le!



Botas e mais botas

Quando nos perguntam "Se ganhasses o éro milhoes, o que fazias?", o que respondia era:

Torrar os milhões em botas..... -.-


Mais umas que custam um dinheirão: €189
E claro que me apaixonei por elas...

Humpf...

(é o que dá estar em casa de licença de maternidade e não ter muito que fazer...)



terça-feira, 6 de novembro de 2012

No meu tempo...

Quando não havia internet, nós, as pessoas que viviam e respiravam para a música, tínhamos que nos orientar da melhor maneira possível para saber novidades e para obter os tão desejados posters ou as tão desejadas fotos (para colar em dossiers, cadernos, paredes e roupeiros) dos nossos ídolos. Resumia-se ao jornal Blitz, à revista Bravo, que era vendida ÚNICA E EXCLUSIVAMENTE em alemão!!!) e à MTV (que só havia por satélite). Ou seja, obter informações era uma tarefa complicada para umas jovens como nós (falo de mim e da Child of the 90's), mas nunca impossível!
Quanto ao Blitz, havia nas bancas, portanto o acesso era bastante simples e prático. Os conteúdos eram maravilhosos da 1ª à última página e era com este jornal (sim, na altura era um jornal e não uma revista como é actualmente) que seguíamos semanalmente toda a cena musical nacional e internacional. A Bravo, tinha muitos posters, entrevistas e artigos muito fixes,  tendo "apenas" o handicap de ser tudo em alemão, o que significava horas de tradução das coisas que realmente nos interessavam. Era andar com o mini dicionário de português/alemão e ter muita dedicação às nossas bandas favoritas (a paciência senhores.... a paciência...). Tirando estas duas publicações, que já nos enchiam as medidas, tínhamos de vez em quando a muy cara Kerrang, que nos presenteava com notícias bem jeitosas. 
Em relação à MTV só a Child of the 90's é que possuía esse tão desejado canal, que na altura era verdadeiramente um canal sobre (pasme-se): música! Assim na loucura... Dava fins-de-semana dedicados a um só artista e/ou banda (que chegámos a gravar para ver e rever vezes sem conta), tinha entrevistas e reportagens espectaculares, era tudo o que um canal de música deveria ser, valha-me Deus.
Piratear música? Só mesmo de cd para cassete, o que significava que tínhamos mesmo de comprar os cds (que doideira!) na grande maioria das vezes. Nós as duas tínhamos a sorte de ter uma loja de música na Graça, a famosa Papasom, que tinha sempre tudo, ainda quentinho, acabadinho de sair. Quando queríamos raridades, rumávamos à Carbono, na Almirante Reis.
Eram definitivamente tempos bastante diferentes, em que não tínhamos tudo de mão beijada e tínhamos que andar a correr atrás das notícias e dos posters dos nossos amados ídolos! Ao encontrá-los, tinha tudo um outro sabor. Digo eu, que agora para se saber alguma coisa, basta vir à net e pronto. Fruto da evolução eu sei, mas não deixo de ter saudades de andar à procura de um CD ou de uma revista por esta Lisboa fora! Acontecia magia!