terça-feira, 15 de abril de 2014

Agora estou ali ao lado

http://vidadepanuci.wordpress.com/

Até já,

quarta-feira, 12 de junho de 2013

Sevilha

Passados quase 11 anos voltei a Sevilha. Foi uma viagem com um sabor agridoce, porque deixei cá o Panino e fui ter com o marido. Ou seja, coração pequenino, pequenino... Estive mesmo para não ir, não estava mesmo com vontade nenhuma de me afastar durante 3 dias do meu bebézão, mas lá fui, com um nó na garganta que metia dó. São 8 horas de autocarro, que não custam nada, se formos acompanhados por um bom livro, música, duas revistas e muita comida, porque eu sou uma rapariga de alimento e não sei o que faria se me desse a fome e ainda faltassem 3 horas até a carripana parar. Arrancava a cabeça a alguém ou algo do género. 
Para além do momento em que vi um bebé do tamanho do Panino a chorar e me deu um ataque de choro, mas discreto porque eu sou uma pessoa que não dá nas vistas, não tive mais nenhum ataque do género, o que foi muito bom e saudável. Estava sempre a pensar nele e cada vez que via um bebé ficava com o coração apertado e com um sentimento de culpa brutal, mas depois começava a ser racional e a pensar que ele estava nas melhores mãos, as dos avós, e que lá por ter agora um filho, não quer dizer que nos anulemos como pessoas e deixemos de viver a vida. Para além de sermos pais, somos também um casal, muito apaixonado por sinal, e não podemos nunca deixar esta parte de lado. Estes 3 dias foram óptimos para dormir muito (é aproveitar senhores!), namorar, descansar, passear, comer, beber e rir muito. 
Sevilha ainda é melhor do que eu me lembrava. Tem uma vida do caraças! Quando lá fomos não era nada assim! Adorei! É um sítio perfeito para passar um fim de semana com pessoal amigo, para comer e beber à grande. Muito bom mesmo! E os coños até que são simpáticos, não tenho nada a dizer deles. Sempre muito prestáveis e com um sorriso na cara. 







Esta árvore está aqui porque tem uma história. Em 2002 fomos com mais quatro amigos (ainda não namorávamos, mas pouco faltava...) a Sevilha e Madrid, depois do festival do Sudoeste. Foi uma viagem inesquecível. Andávamos nós por Sevilha quando vimos esta árvore... Ficámos doidos, por ser tão bonita e única. Lá tirámos uma foto para a posteridade, todos felizes e contentes. Agora, quando lá estive, fomos lá dar e quando a vi, totalmente sem querer lá ir dar, arregalei os olhos e disse "Olha a árvore!!!". E cá está ;)


segunda-feira, 3 de junho de 2013

Era, pois era!

O Facebook era um sítio bem giro, em que eu me divertia diariamente. Cada vez gosto menos de lá ir para me divertir e vou mais para ver notícias e informações sobre bandas, música, cinema, etc. Deixou de ter graça porque é um canal que serve apenas para se mandarem recados ressabiados, postar imagens com frases completamente inócuas ou pedir dinheiro para um desgraçado qualquer que se calhar nem existe. 
E para algo completamente diferente, fica aqui uma cena que eu VENERO e que acabei de ver na Fox Movies:

quarta-feira, 15 de maio de 2013

E vão 9. NOVE!



Xinapá!


domingo, 21 de abril de 2013

R.

Eu não a conhecia pessoalmente, mas conhecia a sua história de vida através do maridão e na semana passada ele disse-me que ela tinha falecido. Ela tinha um blog onde relatava o seu dia-a-dia mas que nós não sabíamos. Por coincidência, uma amiga minha partilhou o blog no Facebook e eu, ao ler, nem acreditei nesta incrível coincidência. Mandei o link ao P. e ele conseguiu confirmar que sim, era mesmo ela. Confesso que foi muito estranho ler a história através dela, porque durante todos estes anos, ia sabendo dos desenvolvimentos, mas com outro tipo de contornos, claro está. Lê-la directamente transtornou-me ainda mais, depois de saber da sua morte, mas adorei ler o lado positivo e divertido com que ela descrevia toda a crueldade por que passava em cada sessão, em cada dia com que tinha que lutar contra o bicho. Faz-nos por as coisas em perspectiva não é?... Chateamos-nos por coisas tão estúpidas e idiotas e ficamos tristes porque se partiu uma unha e depois há pessoas assim que nos fazem sentir vergonha destas nossas atitudes... 
Queria só mesmo partilhar este blog e mostrar um exemplo de coragem e persistência que infelizmente não teve um final feliz. Ela agora já pode descansar em paz, bem merece.

sexta-feira, 29 de março de 2013

Imagens que me definem







And last, but no least:



terça-feira, 19 de março de 2013

Vizinhos

Por falar neles, é assim que os denominamos:

Há os Paulos (porque são o Paulo e a Paula). Há os trombudos do R/c. Há os gordos. Dentro dos gordos, há um sub-tema: a Rueff (porque parece uma personagem que a Rueff fez há uns tempos, gorda com óculos estranhos). Há a Carolina Salgado. Há a do cão. Há o Bárbara, com o sub-tema Pachonas, sendo estas as suas duas filhas adolescentes muito estranhas e anafadas. E há, segundo o meu óme, o pai do meu filho, que é o do 2º direito (só porque eu lhe acho uma certa graça...).

E a pergunta que se impõe é: o que seremos nós? :P

Pensamento do dia

Se eu, que vivo no 4º e último andar, ouço bater a porta da rua com toda a sua pujança, como se fosse aqui ao lado, imagino o pessoal do R/C.

Por falar nisso, às vezes apetece-me abrir a minha porta e gritar "COM A CABEÇA!!!" aos vizinhos que teimam em fechar as suas portas de casa com toda a energia que têm no corpo. Há uma coisa espectacular chamada CHAVE que se roda e permite fechar as portas, daquelas que fecham mal ou que são antigas, tipo a minha, com todo o silêncio do mundo.

É só mesmo um pensamento.


O primeiro



Apesar de estar longe, o pai recebeu um miminho para assinalar o primeiro Dia do Pai! Foi uma completa e total surpresa, bem engendrada com os meus cúmplices londrinos! Sem dúvida a recordar! 

sexta-feira, 8 de março de 2013

32

Já cá cantam 32 belas primaveras, pois que sim. Pela primeira vez na minha vidinha , fui trabalhar no meu dia de anos. Como calhou no dia em que dois colegas iam embora, fez-se um grande almoço na cave, tipo piquenique e foi um dia muito giro e muito bem passado. Muitas mensagens e telefonemas de todos os meus amigos mais queridos, uns mais presentes, outros mais ausentes, mas que nunca se esquecem e que têm um lugar especial no coração. Fica um quentinho cá dentro quando lemos aquelas mensagens ou ouvimos as vozes deles, pela primeira vez desde há muito tempo. E foi um dia especial, porque o Panino fazia 5 meses e foi o meu primeiro aniversário como mãe.



Flores do óme e do pai

 Bolo surpresa da Bubbles

Bolo de aniversário (que estava pornograficamente BOM!)


Num mês

Há um mês comecei a fazer drenagem linfática. Apareceu-me num daqueles emails com descontos e comecei a pensar se comprava ou não... Eram 29 euros em vez de 425 e eu pensei pra mim, bem, por 29 euros, vamos lá experimentar a coisa. Fui um bocadinho esperançosa que me ajudasse a repor pelo menos um pouco da barriga, estava-me um bocadinho a borrifar para o resto, até porque já está tudo mais ou menos no sítio. A barriga é que é e será sempre aquele pesadelo, especialmente para pessoas como eu, que gostam é de comer e encher o bandulhame até cair pró lado. Bom, só posso dizer que na 3ª sessão comecei a notar resultados e até o meu óme, que é não liga nada a estas coisas, me disse que estava com muito menos barriga e que se notava diferença! Para uma pessoa da espécie dele (AKA homem) tecer comentários deste calibre, é porque efectivamente alguma coisa tinha mudado. Volvido um mês, perdi 2 cm na cintura, no abdómen, na anca e nas coxas. É obra! Estou muito satisfeita com os resultados e não estava mesmo nada à espera disto. A minha barriga já não tem aquele ar de quem foi atropelada por um camião TIR, está com um aspecto MUITO mais aceitável e agora é continuar. 
Dizer também que neste mês perdi 2 kgs. Era isto.

Aconselho a quem queira perder uns bons centímetros. A rapariga que me fez estas dez sessões é fantástica e também dá muitas dicas saudáveis. Para além disso, saí sempre de lá muito mais descontraída. Muito bom, experimentem.

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Medo & Fascínio

Há duas coisas que me metem muito medo, mas que ao mesmo tempo me fascinam e me dão pica. São elas os aviões (ou o acto de andar em) e a trovoada.

Os trovões metem-me um medo terrível, desde que me conheço, fico toda a tremer e toda encolhida até passarem. Não suporto o barulho. Contudo, amo de paixão ver os relâmpagos, são lindíssimos, um verdadeiro espectáculo da natureza, a que temos acesso muitas poucas vezes. Há pouco (ao escrever este texto está um temporal medonho lá fora, depois de um dia de sol bem bom) estava a stressar por causa dos trovões que pareciam que nunca mais acabavam - houve até um que demorou quase uns 30 seg, sem exagero... - mas dei por mim colada à janela para conseguir ver os relâmpagos. Se sou demente? É possível, há uma forte probabilidade. 

Quanto aos aviões, o que dizer? Tudo me fascina nos aviões, o levantar voo, o aterrar, a velocidade cruzeiro, tudo! Quando o avião se começa a fazer à pista, é um misto de emoções dos diabos. Na minha cabeça, quando estou prestes a levantar voo, é isto que acontece: "Ai meu Deus e se isto correr mal?? Ai mas é tão giro, que emoção! Mas e se o piloto não faz bem isto?? Ai que agora já cá estou e não posso fazer nada, mais vale acalmar. Ai aí vamos nós. Ai que isto não está na velocidade certa. Olha ali é a ponte. Ai que isto está a subir muito devagar. Ai que giro, ali há um riozinho... Mas isto está a parar?? Que barulho é este? Deixei de ouvir qualquer coisa....." e continua até o sinal de apertar os cintos se apaga. Aí já fico tranquila q.b., mas sempre de olhos postos em tudo e mais alguma coisa, especialmente nas hospedeiras. Se elas estão tranquilas, é porque está tudo bem (quero eu acreditar...). Um dia em que vir uma hospedeira com cara de caso, tomo um Xanax (boa ideia, andar sempre com um xanaxzinho no bolso, quando andar de avião) e seja o que o outro quiser.

Freak show.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

I love myself because....

Respondendo ao desafio da Child, vou tentar caprichar nas minhas qualidades, o que, quem me conhece sabe, vai ser difícil, porque auto-estima é uma coisa que NÃO me assiste. De todo! Cá vai disto:

Fisicamente, gosto muito do meu cabelo, lisoooooooooo e castanho! Sempre gostei e nem me atrevo em fazer coisas horríveis, tipo permanentes ou essas coisas estranhas que dão cabo do pêlo, com medo de haver uma grande tragédia irreversível. A única coisa que me desagrada nele é ter 300.000 cabelos brancos desde os 17 anos (que eu me lembre) e que tenha que andar sempre a pintá-lo... É lindo sim senhora e eu gosto muito dele!

Se este desafio fosse em antes de ter tido o Panino, teria escolhido as minhas mamocas, que é mesmo assim. Bem jeitosas que eram... Entretanto, emigraram e não vão regressar nunca.

Em termos de capacidades, gosto muito do meu lado prático e despachado de resolver problemas, tanto pessoal como profissionalmente. Tenho rasgos fantásticos de inteligência, é verdade (Child, tu disseste para dizermos tudo, sem medos!!! Don't judge me lol) e desembaraço um problema em 3 tempos. Adoro quando consigo resolver qualquer coisa do alto do meu lado prático IS-PÉTACULAR.

Mais uma capacidade das boas: sou o chamado "beto mãozinhas", montar tralhas e arranjar coisas (móveis, electrodomésticos e afins) é comigo! Tenho um "handyman" dentro de mim LOL

E é isto.

'Tá bom Child?? Ou queres mais? :P

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Gente estranha

Se há coisa que adoro, é ver aquelas fotografias de pessoas em cenas estranhas, tipo em postais de Natal ou fotografias de casamento. Hoje no Facebook, a revista Sábado publicou algumas dessas fotos. E são uma delícia para os meus ricos olhinhos. Ora vê-de:

Porquê? 
"Porque sim, fica giro", disse ela, calculo eu.

Nada nerd.

Coiso.

Gosto muito desta. É de uma classe....

Adoro o cabelo dela. E o sorriso.

Porque é que não me lembrei disto no meu casamento?...


E isto fez-me lembrar o mítico site Awkward Family Photos. Oh meu Deus, isto sim, é um site da lócura! Fui revisitá-lo e aquilo está dividido tematicamente e há um tema que é "Pregnancy"..... Ousei em clicar e todo um novo mundo se abriu. Não é bonito...

Assustador.

Medo.

Creepy. A eterna foto dos casamentos, aqui aplicada à gravidez.

Não consigo colocar aqui uma legenda do calibre de toda a foto...

Para além de estúpido, é estúpido.

Ah, a magia do Natal!

Querido, vamos tirar uma foto da minha barriga, para mais tarde mostrarmos ao nosso filho o quão idiotas somos <3 p="">
A sério...

Vês filho, o pai e a mãe usavam o mesmo eyeliner e tudo.

O que se passou na cabeça desta gente para tirarem esta foto? E a questão é: para quê a melancia? A arma ainda entendo, agora a melancia...


Bem, depois deste momento bizarro, deixo o site para deliciar a minha vasta audiência: http://awkwardfamilyphotos.com

Enjoy!

Valentim sucks. Mas...


Bem, este jpeg ficou um bocadinho manhoso, mas não tenho paciência para fazer melhor. Isto para dizer que um dos meus poemas favoritos da Florbela Espanca (sei-o de cor!), está na aplicação da Bertrand para o Dia dos Namorados. Não sou nada dada a este dia, mas quando vi isto, não resisti em partilhá-lo com o meu mais que tudo. Amo este poema de paixão, tal como amo o meu querido fofo :D

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Odisseia (mas agora a minha) - parte III

O senhor lesado pela minha pessoa já entrou em contacto comigo. Foi super simpático e muito sério, diz que só quer que lhe pague quando tiver a factura do espelho na mão e que não é necessário pagar mão-de-obra, porque ele próprio instalará o mesmo, porque é uma coisa muito simples, segundo ele. A sério, ainda há pessoas honestas nesta vida. Há muitas pessoas que se aproveitam do facto de alguma coisa estar estragada, para meter mais um cheirinho na conta e já agora, arranjar mais qualquer coisinha. Não foi o caso. O senhor é extremamente amável e fartou-se de me elogiar por ter deixado lá o meu contacto, diz que tive (palavras suas), "um gesto muito delicado". Eu depois pus-me a pensar... Eu fiz o que é suposto uma pessoa normal fazer, mas pelas reacções que tive de toda a gente, sem excepção, parece que fiz assim uma coisa extraordinária, nunca antes vista, quando no fundo é isto que se pede a uma pessoa que vive em sociedade. As pessoas estranham que ainda existam aves raras que se preocupem com os outros e que saibam viver em sociedade e isso deixa-me triste. O umbigo de cada um é que interessa e os outros que se lixem. O que importa aqui é que comportamento gera comportamento e eu só obtive simpatia do lado deste senhor, que até desabafou comigo que estava um bocadinho doente e por isso é que não me tinha ligado logo. Lá disse que já tinha os resultados do hospital e que felizmente não era nada de grave. E ainda bem!

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

A vida de Pi

Um filme em que a premissa é um jovem náufrago num bote com um tigre de Bengala?? Bem, soou-me a chatice da grossa, porque diálogo seria uma coisa que não assistia a este filme. Mas desenganem-se, o filme consegue prender-nos até ao final, sem nos fazer perder o interesse. E a personagem principal, Pi, é fascinante! É mesmo um ser muito especial. Adorei. A única coisa que não gostei foi de algumas partes em que se percebe perfeitamente que os animais são animações. Isso para mim é logo um grande corte, mas felizmente são poucas vezes em que isso acontece. Recomendo!

Até agora nenhum filme me desiludiu!

Argo fuck yourself

Anteontem vi o Argo. Agradeço à criatura que adormeceu cedinho e que me permitiu ver o filme todo seguidinho, sem sucumbir ao avançar das horas. Não sabia que era uma história verídica,o que para mim é logo um murro no estômago, porque o que é retratado no filme aconteceu mesmo. Uns iranianos invadem a embaixada dos EUA no Irão, fazendo reféns todas as pessoas que lá se encontravam. Contudo, seis dos trabalhadores da embaixada conseguem escapar e refugiam-se, sem ninguém saber, na casa de um canadiano. Todo o filme gira em torno do salvamento destes seis tristes e do plano que terá que ser engendrado para o efeito. E que plano senhores! Genial! O homem do salvamento é o Ben Affleck, que apesar de não ser um actor que me encha as medidas, até vai muito bem. Gostei especialmente da realização (também a cargo do Affleck) e é um filme que nos prende mesmo até ao último minuto, valha-me Deus! Ide ver, ide!

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Silver Linings Playbook

Esta semana dei início à preparação dos Óscares. Vou tentar ver o máximo de filmes possível, sendo que tenho uma pequena criatura que quer a minha total e completa atenção. Comecei por este filme e devo dizer que comecei muito bem! É um filme muito fácil de ver e a história agarra logo no início, que é o que se quer. É a história de um homem acabado de sair de uma instituição para doentes mentais (Bradley Cooper) e de uma mulher cujo marido (Jennifer Lawrence) morreu e bem.... quer o destino que se encontrem e se ajudem mutuamente a voltar à normalidade. De uma maneira pouco convencional, as duas personagens principais encontram um no outro o apoio que tanto precisam numa altura tão difícil das suas vidas. O desenrolar dos acontecimentos vai-se misturando com a história paralela dos pais dele (Robert deNiro e Jacki Weaver), saltando entre a comédia e o drama. O argumento deste filme é excelente, a história flui, é cheia de altos e baixos nas diferentes relações das personagens e também nos leva a perceber um pouco melhor as pessoas com doenças como a bipolaridade e o comportamento obsessivo-compulsivo. A cumplicidade dos dois actores principais é notável e ajuda a que este seja um grande filme. Para além do fabuloso argumento, a realização está fantástica. 
Gostei muito e aconselho vivamente.

Bang!

Estou rendida ao Cilit Bang Calcário e Brilho. Tenho um vidro na minha banheira, cheio de manchas de calcário que eu não consigo limpar nem por nada. Vi na televisão o anúncio a este produto e pensei "Bem, vamos lá experimentar. Here goes nothing". Aproveitei que o pequeno iniciou a sua sesta de 20 minutos e mãos à obra. Desconfiada, comecei a limpar e kaput, saíram as manchas todas. Não queria acreditar..... É que já estive de volta deste vidro "n" vezes, com "n" produtos diferentes e ficava sempre igual. Frustrante. Hoje finalmente consegui livrar-me deste pesadelo e já posso dormir descansada!

O porquê deste post? Ajudar donas de casa desesperadas como eu! 

É triste ficar excitada com um produto de limpeza.... Tenho mesmo que voltar ao trabalho.... :P

domingo, 27 de janeiro de 2013

Odisseia (mas agora a minha) - parte II

E ainda há mais a juntar à festa, que me esqueci há bocado: como acordei tarde, mandei logo mensagem à minha mãe, que estava à minha espera às 10h. A mensagem não conseguia seguir e eu pensei logo "Merda do pacote de dados que já me foi todo ao ar, rasparta os jogos do smartphone, filha da mãe!" E depois acordei e lembrei-me que era dia de cair a mensalidade na net. Toca a ir a correr carregar o telemóvel. Abre o portátil, site da CGD, faço o pagamento, vou buscar o cartão dos códigos, abro a carteira, ai meu Deus que não está aqui, já deve andar no meio da papelada, voltei à sala, olhei à volta, voltei à carteira, já estava lá o cartão, fiz o pagamento, recebi a mensagem com o carregamento, tentei enviar o sms, continuava a não dar, desliga telemóvel, liga telemóvel, envia a mensagem, mensagem não segue, escreve nova mensagem e finalmente é entregue a puta da mensagem que nem sequer devia ter seguido, se tivesse levantado o cú da cama mais cedo. Dass.

sábado, 26 de janeiro de 2013

Odisseia (mas agora a minha)

Hoje fui a um baptizado do bebé de uma amiga minha. Claro que não tive coragem de levar o Panino, seria a primeira vez que iríamos a um evento deste calibre e eu como estava sozinha e ele também anda constipadinho, achei melhor que ele ficasse sossegadinho com a avó. Até aqui tudo bem, ontem à noite tinha deixado tudo orientado e hoje de manhã era só tomar banho e o pequeno-almoço, acordá-lo, dar-lhe o biberão, mudar a fralda e seguir pra bingo. Mas claro que adormeci, para variar, e tive que fazer tudo a correr. Era para sair de casa às 10h e saí às 11h... Depois do bebé entregue, fui a abrir para a Expo. Como achei que não estava atrasada, lembrei-me de, numa rua estreita, passar entre o autocarro que vinha a subir e os carros estacionados (eu ia a descer). Não era a primeira vez que o fazia, mas foi certamente a última. Isto porquê? Parti o espelho de um dos carros estacionados. Claro que parti, por que não? Lá parei o carro. Já estava tudo à porta das lojas a olhar. Eu calmamente fui a uma das lojas, pedi uma folha e um papel e deixei lá o meu número. Uma senhora ainda me foi ajudar a apanhar as coisas do chão e disse "Ai menina, fez muito bem em parar, sim senhora". Depois foi lá um rapaz e disse "O carro é do presidente da junta". Claro que era, que eu não faço as coisas por menos e se partir o carro a alguém, que seja  o de um presidente. Lá segui caminho até à Igreja dos Navegantes. Cheguei meia hora depois, mas ainda consegui assistir ao baptismo do pequeno. Como a batida foi no bairro onde vivem os meus sogros, calculei que eles conhecessem o senhor. Liguei-lhes e o meu sogro diz-me "Sim sim conheço, é muito meu amigo!". Ainda bem, ao menos sei que não vou ser intrujada! Agora resta-me esperar pelo contacto do senhor e saber quanto é a dolorosa.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2013

Toda uma Fanny

Ontem a Child disse-me no Gmail que estavam novamente a cantar na casa (as in Casa dos Segredos) e que já não os podia ouvir e pumba, lá vou eu mudar para o canal 10 para testemunhar a coisa. E deparo-me com isto:

Telefone de Panuci

À primeira vista, uma pessoa fica boquiaberta porque não consegue conceber a ideia de que aquilo não é aquilo que nos está a parecer, ou seja, um cú desnudo. E um cú de Fanny. Durante breves segundos, temi pela sanidade da moça. E lá se rebolava ela, toda contente e aquilo a dar a dar. Se era assim na parte de trás, imagino a parte da frente......


Assustador.

Tempo

Hoje, dia 24 de janeiro, faz um ano que descobri que estava grávida. O que seria uma simples consulta de ginecologia, transformou-se na primeira consulta de obstetrícia. Lembro-me de dizer à Dra. que estava desconfiada e ela, para ter a certeza, fez-me uma ecografia. Nunca me hei-de esquecer da cara dela a acenar que sim e a dizer "Pois, pois está! Cerca de 5 semanas". Eu olho para ela e disparo: "A sério?! 5 semanas? Mas isso foi quando começámos a tentar....". Fiquei naquele momento a saber que era mesmo filha da minha mãe, tal é a facilidade de engravidar nesta família, jesus credo. À saída, liguei ao pai da criança, daquela mancha mínima que tinha visto no ecrã. Ele, na altura em Londres, ficou em choque! De seguida liguei à mana, à mãe, à Bubbles e à Noninhas. Foi a lócura!
E pronto, a partir daí, tudo mudou, cliché ou não, é um facto. Nem acredito que passou um ano desde esse momento, foi mesmo num abrir e fechar de olhos até ao dia de hoje! Enquanto escrevo e aproveito finalmente o sossego, aquela que era uma mancha mínima há um ano, dorme profundamente aqui ao lado, depois de me brindar com o mais espectaculares dos sorrisos. Ao mesmo tempo que aprecio este silêncio, encho-me de saudades de o ter acordado ao meu lado, para a galhofa do costume! 

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Lufada de ar fresco

Ontem vi a estreia do "Odisseia" com o Bruno Nogueira e o Gonçalo Waddington e este sim, não me desiludiu! Estava com expectativas altas em relação a este tão esperado projecto e no final do programa esfreguei as mãos de contente por saber que vêm aí mais coisinhas boas, todos os domingos. Se me pedirem para categorizar aquilo, diria que é comédia, mas que deixa potenciar o lado dramático dos dois protagonistas. Gosto especialmente dos outtakes que se misturam no meio da trama. Deixaram-me a pensar se serão mesmo isso ou se serão propositados. De qualquer forma, adorei este novo programa e espero ansiosamente pelos restantes. E ter a Belle Dominique não é para todos.

domingo, 20 de janeiro de 2013

Sem cavelo

Estar grávida é uma grande chatice, mas até tem uma coisita ou outra positivas. Uma delas é que não me caiu um cabelinho que seja durante a dita. E se me caíam cabelos, valha-me Deus! Ora bem, agora, 3 meses volvidos, começam-me a cair monelhos de "cavelo" de uma maneira que não dá para acreditar... Está-me a cair tudo o que não caiu durante 9 meses. É assustador, mas é natural que assim o seja. Se não soubesse que isto ia acontecer, já estava maluquinha a pensar que tinha para aqui uma doença qualquer medonha e mais não sei quê, hipocondríaca como sou!



Lar Doce Lar

Como tristezas não pagam dívidas e há que tentar pensar em outras coisas que não no marido em Londres, vou falar à minha vasta audiência sobre a nossa ida ao teatro na semana passada. Faz hoje uma semana, estávamos refasteladinhos no Casino de Lisboa a ver o "Lar Doce Lar", com o Mochique e a Rueff. Eu ia com as expectativas em alta e saí de lá um "bocadinho" desiludida... A peça é engraçada mas não passa disso, infelizmente. Eles os dois estão fantásticos, como sempre, e a encenação está brutal, uma vez que os dois dão vida a várias personagens, mas o texto é fraquinho, fraquinho... Tão fraquinho que do meu lado esquerdo tinha um senhor a ressonar (até que a mulher lhe deu um toque para acordar) e do meu lado direito tinha o jeitoso do meu homem a passar pelas brasas... Tinha tudo para ser uma peça muito boa, mas o texto deixa a desejar, na minha opinião. De qualquer forma, é sempre um prazer ver estes dois aos vivo.

Cry Baby

Sinto-me como o tempo. Hoje ele voltou para Londres e eu cá fiquei com o Panino, completamente destroçada por dentro, como sempre. Não há maneira de me habituar a isto e a cada viagem é cada vez pior. O nó na garganta teima em não me deixar (já anda por cá há mais de uma semana) e por muito que tente ser racional, as lágrimas escorrem-me pela cara, não consigo fazê-las parar, só mesmo quando o Panino está acordado. É uma luta constante. Tenho que me esforçar bastante para o fazer, mas não quero que ele me veja assim. E só passaram 7 horas desde que ele saiu de casa. Não me consigo habituar, paciência. Hei-de sempre ficar assim e hei-de sempre andar a sofrer por antecipação durante semanas. 


terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Mais um post sobre a coisa

Agora que já toda a gente se esqueceu, venho eu aqui mandar bitaites.

A Pepa é a típica rapariga afectada que ninguém gosta, só as amigas como ela (e mesmo assim... :P), e que provoca azia a muita gente. Elas existem e contra isso não podemos fazer nada. Também me irrita profundamente a maneira delas falarem e a futilidade que lhes sai pelos poros, mas é assim que elas são. Agora, se a rapariga quer uma mala da Chanel, o que é que nós temos a ver com isso? Eu também gostava de ter uma Birkin, uns Louboutins e uma casa com jardim e piscina. E então? São desejos! Não os podemos revelar só porque estamos em crise?! O que fica bem é dizer "ah é preciso é saúdinha e comida na mesa"... "Pois é, pois é vizinha.... cá estamos....". Não é por gostarmos de ter uma coisa mais extravagante que estamos a gozar com quem passar fome ou quem está desempregado. São desejos, é apenas isso, desejos. Aqui só condeno a marca, essa sim, devia ter feito uma campanha mais limada, mais cuidada diria eu, porque a publicidade de uma marca não é só vista pelo seu target, ainda por cima nos dias de hoje, que chega tudo a todo o lado com a maior rapidez. "Largar" uns vídeos com malta supé afectada e mai não sei quê, não foi propriamente inteligente. O conceito era bom, mas a finalização foi um BOCADINHO ao lado! Na minha singela opinião. Agora, deixem a Pepinha juntar uns trocos para comprar a sua Chanel (sim, até ela tem que juntar dinheiro vejam bem o flagelo!), que eu vou jogando no euro milhões a ver se consigo comprar tudo o que desejo, já que não estou a conseguir juntar trocos nesta altura. Ah e saúdinha para vós todos, caros ouvintes.

No domingo conduzi, pela primeira vez, sozinha com o Panino. Fiz tudo de forma tão automática, que a meio do caminho teimei que não lhe tinha posto o cinto! "OH MEU DEUS, ele não tem cinto, como é que é possível???" pensava eu stressada! Quando parei, estava ele lindamente a dormir e com o cinto colocado. Quando o mê home for para Londres no próximo domingo, vou passar o ovo para o banco da frente, porque já sei que se não for assim, vou passar as viagens todas a stressar estupidamente e desconcentro-me da condução, coisa que não queremos, não é verdade?

Desde que o Panino nasceu que a minha cabeça tem estado a kms de distância do que é actualmente. Para além de me sentir taralhoca, também estou hiper desastrada e só faço asneiras. Ando um bocadinho irritada com este estado da minha pessoa, sinto-me limitada. Não sei se é de estar em casa com o cérebro parado, se é normal nesta fase estarmos mais cansada, não sei. Espero que quando voltar ao trabalho isto vá ao lugar, porque sinceramente não gosto de me sentir tóina.

domingo, 30 de dezembro de 2012

Bom 2013



2012 em imagens (II)

O bolo dos meus 31 anos, feito pela Bubbles

Évora

Viagem em janeiro a vários locais (Castelo de Almourol)

Coimbra

O meu sobrinho no Carnaval vestido à Napoleão





2012 em imagens (I)




Panuci e Panino em Londres, na fila para Westminster

Londres - maio



Resumido, foi isto. Desde o início de Janeiro que começou a saga da gravidez e o ano todo girou em torno disso. E agora gira tudo em torno do Panino, este bochechudo lindo!
Foi um bom ano que passou a mil à hora.