quarta-feira, 18 de março de 2009

Déjà vu

Dura somente umas fracções de segundo, traduz-se por uma estranha impressão de já ter vivenciado a cena presente e mesmo saber o que se vai passar em seguida, ainda que a situação que esteja a ser vivida seja inédita. O déjà vu, ou paramnesia como também é conhecido, tem sido ao longo dos anos objecto das mais díspares tentativas de interpretação, mas para nós, comuns mortais, continua a ser um quebra-cabeças inexplicável.
Émile Boirac, filósofo, cientista e esperantista francês, profundamente interessado em pesquisas na área da parapsicologia, deu o nome, em 1876, a este fenómeno curioso que durante anos foi considerado como sendo uma reminiscência de vidas passadas, prova segundo alguns, da existência de reencarnação.
Sigmund Freud dava-lhe outra explicação: as cenas familiares seriam visualizadas nos sonhos e depois esquecidas e, segundo ele, eram resultado de desejos reprimidos ou de memórias relacionadas com experiências traumáticas. Outra das explicações propostas fazia depender o fenómeno de uma similitude entre elementos da cena vivenciada e elementos de outras passadas mediada por um fenómeno emocional.
Ao longo dos tempos a vastíssima Ciência Médica foi avançando
diversos cenários para o fenómeno e hoje os progressos nas Neurociências fazem emergir várias hipóteses: uma decalage no encaminhamento das percepções por diferentes vias nervosas que leva a que a informação retardada não seja considerada pelo cérebro como “nova”, é uma delas.
A forma como o
cérebro memoriza uma informação, colocando-a directamente na memória a longo prazo sem passar primeiro pela memória a curto prazo, podendo fazê-la parecer uma recordação longínqua em vez de uma informação do presente, é outra das teorias propostas para o fenómeno. (...)
Mais em Obvious

Panuci, está explicado? :)

3 comentários:

Topera disse...

Aqui está um assunto que me agrada bastante.

Já tive alguns "déjà vu", mas o mais interessante aconteceu:

Andava no sétimo ano, lembro-me como se fosse hoje, estavamos um grupo de amigos sentados numa escadaria lá da escola...o ricardo, disse qualquer coisa e eu lembrei-me que em tempos tinha respondido e que nos tinhamos zangado, então naquela altura optei por ficar caladinha, e não aconteceu nada...

Hoje ainda continuamos amigos...

Neste caso, bendito DÉJÀ VU...

bf disse...

Normalmente, só me lembro depois de terem acontecido as coisas...
Logo a seguir. Tipo: sabia isso...
(mais rebuscada é a teoria dos mundos paralelos - como defendem alguns fans da série Lost)

Panuci disse...

obrigadinhos!